Dicas

Filme: Lotte am Bauhaus

Em 2019, para comemorar o centenário da fundação da Bauhaus, ocorreram séries de eventos e exposições em várias cidades do mundo e o Arquivo da Bauhaus em Berlim lançou o filme “Lotte am Bauhaus” (Lotte na Bauhaus, em tradução livre).

Lotte é a protagonista que nos levará a conhecer aquela que foi a primeira instituição de ensino a formar profissionais das artes sem fazer diferença entre o que se considerava arte e artesanato. No currículo, as aulas se dividiam entre pintura, composição gráfica, estudos das formas, uso de materiais, marcenaria, arquitetura. Seu grande idealizador, Walter Gropius (1883-1969), acreditava que a escola não era um espaço para ensinar técnicas e transmitir conteúdos, mas sim um centro que proporcionaria uma formação completa do ser, como profissional e como cidadão que contribuiria para a coletividade.

O diretor Gregor Schnitzler se permitiu estender o desejo de ilustrar esse período de transformações e pequenas revoluções cotidianas para uma história fictícia, em que se mesclam personagens reais e outros apenas inspirados em figuras que se destacaram na escola alemã na vida real. É o caso de Lotte, garota que se vale dos preceitos de que a escola aceitava alunas mulheres (coisa rara até então, ainda mais tratando-se de uma escola profissionalizante), consegue uma vaga e logo se destaca. Ela foi inspirada na artista e designer Alma Buscher (1899-1944), cujos trabalhos ilustram os manuais da Bauhaus ao lado, por exemplo, das cadeiras de Marcel Breuer (1902-1981) que, no filme, foram criadas pelo fictício Paul.

A presença feminina encarada de forma igualitária foi revolucionária na época, mas não foi assim tão fácil. Mesmo com a iniciativa vanguardista, no início as mulheres eram relegadas às oficinas de tecido e pintura, a elas não sendo permitido frequentar as oficinas de marcenaria. Só com muito custo, aos poucos, foram sendo abertas vagas para mulheres.

A temática feminista, de fato, dá um brilho ainda maior ao filme. Faz ainda querer saber mais sobre a escola, os professores e seus métodos – artistas consagrados como Paul Klee, Wassily Kandinsky e Josef Albers entre outros fizeram parte do corpo docente. Por fim, a história da Bauhaus perpassa a política da Alemanha, dando para o filme um final emocionante.

Encontrei o filme neste link com legendas em espanhol:
https://www.facebook.com/watch/?v=516399079056207

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *